Carne oriunda de abatedouros clandestinos oferece risco à saúde pública

By -

abate

Foto de arquivo

O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Amazonas (CRMV-AM) alerta para o perigo do consumo de carne oriunda de abatedouros clandestinos. Na maioria dos municípios amazonenses o abate de animais ocorre em locais improvisados, sem condições adequadas de higiene e sem a vistoria de um médico veterinário, que é o profissional habilitado a fazer análise da sanidade de produtos de origem animal.
Dados do CRMV-AM indicam que apenas os municípios de Manaus, Parintins, Itacoatiara, Manacapuru, Iranduba e Boca do Acre do Amazonas possuem abatedouros regularizados. Nos outros 56 municípios os animais são abatidos em locais inadequados sem que os gestores públicos ajam para coibir a prática que oferece riscos à saúde da população que consome carne oriunda destes locais.
O maior risco à saúde pública é a contaminação de pessoas com doenças como a Brucelose e a Tuberculose que podem ser contraídas pelo consumo da carne de animais infectados. Segundo Gilmar Rocha, vice-presidente do CRMV-AM, apenas com a vistoria do médico veterinário é possível constatar se o animal abatido estava livre de doenças que possam contaminar o homem.
Em reunião ocorrida ontem, (30) no Ministério Público do Amazonas (MPE-AM) os representantes do CRMV-AM apresentaram o problema à Promotora responsável pela 53ª Promotoria de Meio Ambiente e Patrimônio Histórico (Prodemaph), Maria das Graças Gaspar de Melo, e solicitaram apoio do órgão para garantir o cumprimento das normas sanitárias no abate de animais em todos os municípios do Estado.

Redação