Caprichoso define toadas estratégicas de arena para repertório

By -

caprichoso-viva-parintins-2016O Conselho de Artes do Boi-Bumbá Caprichoso se reúne nesta segunda-feira, dia 7, para escolher as toadas estratégicas de arena do repertório do álbum “Viva Parintins! 2016”. Neste domingo, dia 6, foram divulgadas as obras finalistas, com os respectivos compositores, dos itens: lendas amazônicas, rituais indígenas e figuras típicas regionais nas páginas oficiais do Boi Caprichoso nas redes sociais. A lista é resultado de um longo processo de escolha por um período de quase dois meses. 

Tudo se iniciou desde o fim das inscrições das toadas no dia 18 de outubro para filtragem, de acordo com o projeto boi de arena planejado pelo Conselho de Artes e conforme previsto no edital de seleção. Essas obras musicais vão completar o repertório do Boi Caprichoso, depois da primeira fase de seleção e anúncio das toadas livres feito pelo Conselho Musical, no dia 12 de novembro. Duas são absolutamente estratégicas para enriquecer o repertório do Caprichoso. 

O membro do Conselho de Artes, teatrólogo Chico Cardoso, explica que cada conselheiro ouviu individualmente as toadas estratégicas inscritas para serem analisadas de forma igualitária, antes da audição final realizada nos dias 4 e 5 de dezembro, em Parintins. “Esse festival de 2016 é definitivo para cravar os próximos 50 anos do festival de Parintins. O boi que ganhar vai ganhar pela criatividade e pela compreensão do que vai ser esse boi daqui a 50 anos”, frisa.

Na avaliação do conselheiro, para se fazer um espetáculo dessa magnitude,    representar a responsabilidade com o festival, que muitos julgam estar em declínio, mas o Caprichoso aposta totalmente ao contrário, o Conselho de Artes vai acasalar uma série de possibilidades, com muito rigor, para se conseguir emplacar as toadas que realmente coincidem e reforcem o projeto de arena. “O primeiro critério é a calma para escolher essas toadas, porque elas precisam ser absolutamente precisas dentro da arena. O resultado começa se desenhar a partir desse momento que a gente afunila para seis toadas em cada setor, segmento, e, finalmente, no dia 7, nós vamos definir as toadas para integrar o repertório de arena de 2016”, afirma. 

O conselheiro de artes, Márcio Braz, acompanha todo o processo de escolha das obras desde a primeira fase em Manaus e avalia que mais uma vez as toadas estão extremamente bem embasadas, objetivas, bem contextualizadas, além de uma musicalidade muito rica. “Isso tem gerado até certa dificuldade ao Conselho de Artes, porque todas as toadas fazem parte do contexto da apresentação pensada para a arena. Somos criteriosos em relação à escolha dessas toadas. Essa iniciativa de apresentar uma pré-seleção é justamente para demonstrar a toda galera o nosso rigor na escolha dessas toadas. Fizemos três encontros e vamos ter mais um em definitivo na segunda-feira para a gente bater o martelo nas toadas que vão levar nosso boi ao bicampeonato”, assegura.

Roberto Brasil