Brasileiras vencem australianas nos pênaltis e vão à semifinal

By -
Goleira Bárbara se encarregou de mostrar que está pronta para fazer sua parte na posição

Goleira Bárbara se encarregou de mostrar que está pronta para fazer sua parte na posição

Foi sofrido, nos pênaltis, mas o Brasil venceu a Austrália nesta sexta, no Mineirão, e se classificou para a semifinal da Olimpíada Rio 2016. Depois de empate por 0 a 0, a seleção feminina fez 7 a 6 nas penalidades, eliminou as australianas e enfrentará na próxima terça-feira a Suécia, às 13h, no Maracanã, por uma vaga na final.

Existe um ditado famoso no futebol: todo grande time começa com uma grande goleira. E Bárbara se encarregou de mostrar que está pronta para fazer sua parte na posição. Depois do 0 a 0 no tempo normal, na prorrogação e de quatro cobranças de pênalti certas para cada lado, coube à Marta fazer a última pelo Brasil. Geralmente as grandes jogadoras costumam bater ou a primeira ou a última penalidade, as duas de maior responsabilidade. Só que a camisa 10, exausta, calou o Mineirão. A goleira Williams defendeu com facilidade a cobrança e deu a chance para Gorry decidir. Se a Austrália fizesse o pênalti seguinte, eliminaria a seleção feminina no mesmo palco da derrota mais doída da história do futebol brasileiro. Mas Bárbara acertou o canto, voou na bola e recolocou o Brasil no jogo. Duas cobranças mais tarde, Tamires deixou a seleção em vantagem: 7 a 6. E Bárbara, novamente, foi gigante. Pegou o pênalti de Kennedy e deu a classificação ao time brasileiro.

“A Marta é a melhor do mundo, não podia ser julgada pelo pênalti perdido”, falou a goleira, que impediu a desclassificação logo após um erro da jogadora eleita cinco vezes a melhor do mundo. A camisa 10 estava aliviada depois de chorar muito com a vitória. “Hoje passamos por um teste muito bom para a gente perceber que o grupo é muito forte, que todas estão unidas, uma correndo pela outra, uma ajudando quando a outra cair. Foi o que a Bárbara fez. Ela buscou força naquele momento. Uma das companheiras dela, que era eu, não tinha sido feliz na batida de pênalti. Graças a Deus ela conseguiu reverter isso para o bem da equipe”, disse ao canal Sportv .O fim do jogo dramático deixou as brasileiras emocionadas. “Eu agradeço a Deus por me dar saúde e vontade para continuar lutando e presenciar este momento”, falou a volante Formiga, de 38 anos, que disputa a sexta Olimpíada.

O adversário da semifinal é a Suécia, a seleção que levou 5 a 1 do Brasil na primeira fase. Ainda assim, as suecas chegam à semifinal depois de eliminarem a favorita seleção dos Estados Unidos, campeã em quatro das cinco edições do futebol nas Olimpíadas e vice na outra. A classificação sueca também foi nos pênaltis e com reclamações da goleira norte-americana Hope Solo, que chamou as rivais de um time “covarde”. Ou seja, que não ataca. Contra o Brasil, elas devem atacar ainda menos. Quem passar enfrenta o vencedor de Alemanha x Canadá. A final acontece no sábado, também no Maracanã. É preciso pensar muito para imaginar o final perfeito para as mulheres do futebol brasileiro na Olimpíada do Rio?

(Com EL PAIS)

Roberto Brasil