Boletim aponta 2,3 mil casos de zika em Manaus

By -
O mosquito Aedes aegypti transmite dengue, zika e chikungunya

O mosquito Aedes aegypti transmite dengue, zika e chikungunya.

Até o momento, Manaus apresenta 5.086 casos suspeitos de zika vírus, dos quais 2.306 foram confirmados e 927 descartados. Outros 1.853 encontram-se sob investigação. Os números fazem parte do 49º Informe Epidemiológico, divulgado nesta quarta-feira, 6, pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa).

 

Ainda, segundo o documento, entre as mulheres grávidas, que representam um grupo de atenção prioritária, o número de casos suspeitos de zika chega a 996. Deste total, 348 foram confirmados, 497 foram descartados e 151 ainda estão em investigação médica.

 

Manaus permanece apenas com um caso de microcefalia com relação confirmada com o zika vírus, que é o de um bebê cuja mãe relatou ter adquirido a doença em Boa Vista (RR). Dos demais casos suspeitos registrados pela Secretaria, quatro não têm relação com o zika, quatro foram descartados e dez permanecem em investigação.

 

A prefeitura mantém, de forma permanente, o monitoramento dos casos de infecção por zika vírus, dengue e chikungunya, transmitidas pelo Aedes aegypti. Para isso, são verificadas condições de proliferação do mosquito e estabelecidas áreas de atenção prioritária a partir das informações epidemiológicas que incluem o número de casos notificados por área e os resultados do Levantamento do Índice Rápido de Infecção por Aedes aegypti (LIRAa).

 

“Nosso objetivo é sempre reduzir e, quando possível, eliminar os riscos de transmissão dos vírus e as consequências graves da doença, colocando em prática estratégias de prevenção, diagnóstico precoce e acompanhamento dos pacientes”, pontuou o secretário da Semsa, Homero de Miranda Leão Neto enfatizando que a colaboração da população é fundamental no processo de vigilância.

 

Até o momento, a Semsa recebeu mais de 5 mil denúncias de focos do mosquito por meio do Disque Saúde (0800 280 8 280) e mais de 4 mil locais já foram vistoriados. Também já foram montadas aproximadamente 1,7 mil brigadas contra o Aedes, com a participação de 9 mil voluntários, capacitados para o combate ao mosquito em seus locais de moradia e trabalho.

Áida Fernandes