Bioprótese de pé e tornozelo desenvolvida na UEA será apresentada nesta terça-feira (16)

By -
O objetivo da pesquisa é estudar a aplicação de madeiras da Amazônia nos produtos e próteses de pé e tornozelo

O objetivo da pesquisa é estudar a aplicação de madeiras da Amazônia nos produtos e próteses de pé e tornozelo

A Universidade do Estado do Amazonas (UEA) apresentará, nesta terça-feira (16), às 14h30, os resultados do projeto “Desenvolvimento do Protótipo de Bioprótese de Pé e Tornozelo em Madeira Laminada com Avaliação Clínica em Pacientes Protetizados”. A apresentação faz parte do Seminário de Avaliação Final do Programa Estadual de Atenção à Pessoa com Deficiência  – VIVER MELHOR/PRÓ-ASSISTIR, que será realizado no Hotel Blue Tree em Manaus. 

O objetivo da pesquisa é estudar a aplicação de madeiras da Amazônia nos produtos e próteses de pé e tornozelo. As pesquisas já resultaram no desenvolvimento da bioprótese que será apresentada nesta terça, bem como os primeiros resultados em paciente.

Viver Melhor-Pro-Assistir2O projeto é desenvolvido pelo grupo de pesquisa “Tecnologia Assistiva”, da Escola Superior de Tecnologia (EST) e da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESA) da UEA. Os trabalhos são coordenados pela professora de Engenharia Mecânica, Marlene Araújo, e conta com a participação dos pesquisadores Cleinaldo de Almeida Costa, Francisco B. Ferrera Fernandez, Frederico Veiga, José Luiz Valin Rivera e Luiz Antonio de Oliveira, além de acadêmicos do curso de Engenharia Mecânica, Engenharia de Controle e Automação e Engenharia Elétrica.

VIVER MELHOR/PRÓ-ASSISTIR – Lançado em abril de 2012, o Viver Melhor/Pró-Assistir foi idealizado pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação do Amazonas (Secti-AM) e executado em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado Amazonas (Fapeam) e a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Seped).

Viver Melhor-Pro-Assistir3Este foi o primeiro programa de tecnologia assistiva lançado no País a estimular a participação não somente de pesquisadores, mas também de inventores. A Fapeam disponibilizou, por meio do edital 006/2012, recursos para aplicação em projetos de inovação voltados ao desenvolvimento de produtos de maneira a contribuir para dar mais autonomia, independência e qualidade de vida a pessoas com deficiência, incapacidades ou mobilidade reduzida.

Roberto Brasil