Bibiano denuncia falta de estrutura de escola e cobra diagnóstico para a elaboração do Plano de Educação

By -
Ver. Bibiano

Ver. Bibiano

Após visita na Escola Municipal Francisca Lima da Rocha, Parque Riachuelo II, Zona Oeste da capital, o vereador Professor Bibiano (PT) mostrou na tribuna da Câmara Municipal de Manaus (CMM), nesta segunda-feira (8), a falta de estrutura da unidade de ensino, que é um dos cento e setenta prédios alugados onde funcionam escolas na cidade.

O vereador mostrou fotos que mostram a realidade da escola, que tem um esgoto a céu aberto, problema minimizado pelos próprios pais de alunos, que colocaram uma tampa provisória no local. Além disso, o condicionamento da merenda escolar não está sendo feito de forma correta, segundo o parlamentar.

Outro problema na unidade de ensino são os banheiros, que estão com a estrutura precária. “A porta do banheiro das crianças está todo enferrujado, em terríveis condições. Há relatos que alunos já se machucaram na porta enferrujada. O ar condicionado está sem funcionar a um bom tempo e foi preciso colocar ventiladores improvisados na sala. E a rampa de aceso à escola está destruída”, destacou.

Um vídeo exibido pelo vereador mostra que as ruas que dão acesso à unidade de ensino se encontram em condições precárias e ficam alagadas quando chove, dificultando o acesso dos alunos à escola.

Diagnóstico Plano de Educação

Diante da problemática, que segundo Bibiano é apenas um exemplo de vários, que atingem principalmente prédios alugados onde funcionam escolas, o parlamentar cobrou que seja disponibilizado o diagnóstico que devia ser realizado pela Prefeitura de Manaus por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed), para a elaboração do Plano Municipal de Educação (PME).

“A realidade dessa escola na zona oeste é um exemplo da importância da discussão séria do plano municipal de educação. A verdade não pode ser colocada para baixo do tapete. Muitos prédios alugados não oferecem a estrutura adequada para um ensino de qualidade. A educação fica simplesmente comprometida. E a sociedade civil têm tido oportunidade de participar dessa discussão para a elaboração do diagnóstico do plano de educação? É isso que venho cobrando e sei do que estou falando. ”, concluiu Bibiano.

Roberto Brasil