Benjamin Constant aguarda reconhecimento de calamidade pública no município

By -

cheia-benjamin-02A Prefeitura de Benjamin Constant está aguardando a homologação por parte do Governo do Estado do decreto de Estado de Calamidade Pública no município em face da cheia que atingiu cerca de um terço da área urbana e 49 comunidades rurais. O decreto declarando Estado de Calamidade Pública foi decretado no dia 14 de maio pela prefeita Iracema Maia. O nível do Rio Solimões está em 13,77 metros neste domingo (17/05), caracterizando a segunda maior enchente nos últimos 16 anos. Faltam apenas cinco centímetros para bater a marca da maior cheia registrada em 1999, quando o nível das águas alcançou 13,82 metros.

O decreto reconhecendo Estado de Calamidade Pública tem por base “o agravamento dos danos humanos, materiais, ambientais e prejuízos econômicos públicos e privados”.

A inundação atingiu 2.000 famílias totalizando 12.185 pessoas. O avanço das águas atingiu 33 instalações públicas dos quais 16 escolas (duas na área urbana e 14 nas comunidades rurais), três Unidades Básicas de Saúde, Mercado Municipal, Feira do Produtor, Porto Fluvial, 52 estabelecimentos comerciais dentre outras instalações.

cheia-benjamin-01A região central da cidade e os bairros próximos na orla fluvial são os mais prejudicados. São oito bairros diretamente atingidos resultado na interdição de 49 ruas.

A cheia de acordo com do decreto está comprometendo os serviços essenciais, como o fornecimento de energia elétrica (a cidade já sofre racionamento há uma semana), abastecimento de água potável, saneamento, transportes, serviços de educação, alimentação, saúde, segurança e mobilidade urbana.

A prefeita Iracema Maia viajou a Manaus neste sábado em busca de apoio e ajuda do Governo do Estado para enfrentar a cheia.

A Prefeitura já construiu mais de 12 quilômetros de pontes além de doar centenas de dúzias de madeira para suspensão de assoalhos das casas inundadas, bem como proporcionou abrigo para 63 pessoas, além de providenciar aluguel social para 15 famílias.

cheia-benjamin-03A Defesa Civil do Estado já enviou para o município centenas de cestas básicas, kits de higiene, colchões e redes.

De acordo com a Defesa Civil do Município, cerca de 1.000 famílias estão à espera de madeira para suspender o piso de suas casas.

“É necessário e urgente o socorro por parte dos Governos Estadual e Federal, pois o Município de Benjamin Constant já não possui mais recursos suficientes para a manutenção da máquina e simultaneamente o socorro aos afetados”, assinala a Prefeitura através de relatório que subsidiou a elaboração do decreto de Estado de Calamidade Pública.

Roberto Brasil