Audiência pública sobre demissão de agentes de endemias no Amazonas é confirmada para esta quarta-feira

By -

informa-blogdafloresta2014

Após ter sido cancelada no último dia 11 por causa da ausência de representantes da FVS – Fundação de Vigilância Sanitária e SUSAM – Secretaria de Estado da Saúde – que justificaram ausência devido a ponto facultativo pelo Dia do Advogado – foi confirmada para esta quarta-feira, dia 26, a audiência pública que vai tratar sobre o drama vivido por mais de 300 agentes de endemias do Estado do Amazonas, da antiga Sucam/Funasa (Fundação Nacional de Saúde) e que foram demitidos pelo Governo do Estado em junho deste ano.

A audiência está prevista para iniciar às 14h com as presenças confirmadas de representantes do TCE, Susam e da Câmara Municipal de Manaus, além dos agentes de vários municípios do Amazonas. Até o fim da tarde desta terça-feira a FVS não havia confirmado à Defensoria Pública do Amazonas, participação na audiência pública, de acordo com o Defensor, Carlos Almeida Filho.     

Sem amparo, os agentes de endemias desligados receberam o apoio do Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Amazonas (Sindsep-AM). O secretário geral do Sindsep-AM, Walter Matos, explicou que muitos agentes desligados estão contaminados por produtos tóxicos devido ao trabalho de anos com produtos altamente tóxicos como é o caso do próprio DDT.

Anderson de Oliveira Gonçalves, 37 anos, é um desses agentes detectados com grau elevado de contaminação por DDT. Ele trabalhou durante 12 anos na função e fez exame para verificar o grau de contaminação por produto químico em janeiro deste ano.

Segundo laudo da própria FVS, Anderson detém 8.854,00 U/L de contaminação no sangue – de uma escala que vai de 4620 a 11.500 U/L para homens e 3930 a 10800 U/L para mulheres.

Demissões

A demissão dos agentes de endemias é resultado do concurso público, realizado em 2008, promovido pela Susam e que deixou de fora mais de 300 servidores, com mais de 15 ou 20 anos de serviços prestados.

Walter Matos explicou que a dispensa dos chamados mata-mosquitos atinge 31 municípios do Amazonas e, de alguma forma, pode até prejudicar o trabalho de combate aos mosquitos, como o aedes aegipty.

Mario Dantas