Artur derrota os mercadores da fé

By -

artur-fe

Disse Jesus a Tomé: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, senão por mim. Adorar e seguir os mercadores da fé, por si só é a negação de Cristo. Tem mercador que se autonomeia apóstolo, outros são acusados de crimes, mas, assim mesmo conseguem se eleger usando a boa fé daqueles que convivem com a palavra e não conhecem verdadeiramente o Senhor. Algumas denominações, por meio de alguns de seus pastores, definitivamente, decidiram caminhar pelo trilho da corrupção, ao venderem a boa fé de seus membros.

As eleições municipais mostraram que mercadores da fé desprezando o livre arbítrio dos fiéis, compactuaram com as maiorias baixarias utilizando o um lugar sagrado: o púlpito da Igreja. No processo eleitoral, não só perderam Vanessa Grazziotin (PCdoB) e seu grupo, mas também todos àqueles que negociaram a fé. Agora, os que se venderam estão sem rumo. Como ter acesso aos recursos públicos com a vitória do tucano Artur Neto?

O caso mais emblemático é do deputado federal Silas Câmara, da Assembleia de Deus. Silas escancarou a porta da Igreja para a comunista e deu respaldo para os panfletos apócrifos e vídeos fajutos editados às vésperas das eleições contra Artur Neto. Silas responde a uma investigação penal, uma improbidade administrativa, criime contra a família e a outro inquérito por crime eleitoral.

Em 2010 o deputado Silas Câmara foi flagrado em escuta telefônica operando caixa 2 durante campanha eleitoral de sua mulher, Antônia Câmara (PSC-AC). Silas teve escutas feitas pela Polícia Federal (PF) com autorização judicial  vazadas para a imprensa. Em 2011 ele daria o troco: apresentou substitutivo a projeto de lei agora aprovado na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara, incluindo como abuso de autoridade “constranger vítimas, testemunhas e pessoas indiciadas em inquérito policial ou presas em flagrante delito a participarem de ato de divulgação em meios de comunicação ou a serem fotografadas ou filmadas com esse intuito”. Rosalvo Reis / Mário Dantas

Redação