Arthur Bisneto afirma que governo Dilma dá tratamento diferente à Manaus no repasse de verba

By -
Dep. Artur Bisneto

Dep. Artur Bisneto

“Está claro a intenção do governo (Dilma) de massacrar aqueles que pensam o contrário. De deixar na berlinda e sacrificar uma população, justamente pela sede de poder que acometeu esse partido (o PT). Eu fico triste com essa constatação, mas eu tenho certeza que este país irá reagir”, declarou o deputado federal Arthur Virgílio Bisneto (PSDB-AM), vice-líder do Bloco da Oposição, durante pronunciamento na Câmara Federal, nesta quarta-feira (15), sobre a discriminação nos repasses financeiros feito pela presidente Dilma Rousseff (PT) para as cidades governadas por adversários políticos.

No último domingo (12), o jornal O Globo apontou que as cidades governadas por aliados de Dilma tiveram mais verbas federais. Das dez cidades que mais receberam dinheiro por meio de convênios com o governo federal em 2014, sete são comandadas por partidos políticos que apoiaram a reeleição da presidente Dilma.

Segundo Bisneto, a discriminação nos repasses financeiros federais prejudica a cidade e a administração da Prefeitura de Manaus, que vem tentando tocar obras, como o asfaltamento de ruas em bairros e a concretização de melhorias no transporte coletivo, como o BRT.

“A diferença do tratamento dado para a cidade de Manaus está gritante. Parece que existe a intenção do governo de dividir o país entre eles e nós. Um grande exemplo é a mudança de tratamento, hoje, com a cidade de São Paulo com a entrada do Fernando Haddad (na prefeitura de São Paulo), os repasses não obrigatórios foram multiplicados por quatro”, afirmou. A Prefeitura de São Paulo, administrada pelo PT, recebeu R$ 271,4 milhões, em 2014, contra apenas R$ 1,5 milhão para Manaus. O prefeito Amazonino Mendes (PDT), considerado aliado da presidente, recebeu R$ 34,2 milhões em 2011, contra o baixo valor da prefeitura de Arthur Virgílio Neto (PSDB).

De acordo com Bisneto, se levarmos em consideração os valores dos repasses e dividir pelo número de habitante nas cidades de São Paulo e Manaus, será possível notar que os números são alarmantes. No governo Dilma foram repassados R$ 23 reais por habitante na cidade de São Paulo contra R$ 0,75 centavos por habitante da cidade de Manaus.

Roberto Brasil