Arrecadação do Amazonas foi de mais de R$ 1 bilhão em agosto

By -

receita-federal1A arrecadação de impostos e contribuições administrados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil, no Amazonas, alcançou a cifra de R$ 1.015.771.259 milhões em agosto de 2014, contra R$ 996.507.741 milhões no mesmo período em 2013, registrando aumento nominal de 1,93%.
Nos  oito  meses  deste  ano  a  arrecadação atingiu o montante de R$ 8.690.249.599  bilhões,  contra  R$ 7.802.194.262 bilhões dos oito meses do ano anterior, revelando expansão nominal de 11,38%.

Em  relação a participação na 2ª Região Fiscal, composta por todos os estado do Norte, exceto Tocantins, o Amazonas foi responsável por 44,12% de toda a arrecadação de agosto, que foi de R$ 2.469.478.662 bilhões.

Composição da arrecadação por tributo

Desse  total, as maiores arrecadações ficaram por conta das receitas previdenciárias  (R$  333,8  milhões),  do  Cofins  (R$ 271,6 milhões) e do Imposto de Renda sobre Pessoa Física (R$ 105,4 milhões).

O  Imposto de  Renda  Pessoa Jurídica (IRPJ) e a  contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) contribuíram negativamente para o resultado. O primeiro  arrecadou,  em  agosto,  R$  97,6  milhões  e  a segunda, R$ 78,3 milhões.

Por Atividade econômica

O  indicador  acumulado  para os sete primeiros meses de 2014 apontou expansão  de  3,3%  frente a igual período do ano anterior, com apenas três dos dez setores investigados assinalando crescimento na produção.

A  indústria  de  equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos  (17,1%)  foi  a  que  mais  influenciou  positivamente o resultado global,  impulsionada, principalmente, pela maior fabricação de televisores e de computadores pessoais portáteis (laptops, notebooks e tablets).

Em  sentido  contrário,  os  setores  de coque, produtos derivados do petróleo  e  biocombustível  (-3,8%) e de outros equipamentos de transporte (-3,7%)  exerceram  os principais impactos negativos no índice acumulado no ano,  pressionados,  em  grande parte, pela redução na produção de gasolina automotiva, no primeiro, e de motocicletas, no segundo.

Roberto Brasil