Arena da Amazônia é apresentada à quarta geração de Vivaldo Lima

By -
Aly Almeida recebe bisneto e nora de Vivaldo Lima

Aly Almeida recebe bisneto e nora de Vivaldo Lima

Num clima de muita emoção, o bisneto do saudoso médico Vivaldo Lima, cujo nome foi dado à maior praça esportiva do Amazonas, visitou pela primeira vez a Arena da Amazônia, nesta sexta-feira (27). Felipe Lima esteve acompanhado da avó, Nice Ferreira Lima (nora de Vivaldo Lima), e foi recebido pelo diretor-presidente da Fundação Vila Olímpica, Aly Almeida.

A visita durou pouco mais de meia hora, tempo suficiente para que os dois – que moram em Brasília e ficam até a próxima segunda-feira (30) em Manaus – conhecessem a nova estrutura do complexo.

“É maravilhosa, estou encantada”, suspirou dona Nice, viúva do ex-senador da República Vivaldo Lima Filho, um dos nove filhos (oito homens e uma mulher) do patriarca da família.

Apesar de viver fora do Estado, a aposentada é amazonense e disse que tem um acervo completo da história de Vivaldo Lima para compartilhar com os conterrâneos, a partir do ano que vem.

“A Arena da Amazônia está aberta para mais essa contribuição”, disse Aly Almeida.

Do anel inferior da arquibancada, os visitantes tiveram um panorama de como ficou o antigo “Colosso do Norte”.

Em meio às lembranças e a explanação feita pelo diretor-técnico da FVO, Igor Menezes, os dois puderam conferir o que de novo foi erguido no local: uma arena multiuso, que recebeu quatro jogos da Copa do Mundo em 2014 e que irá sediar seis partidas dos Jogos Olímpicos Rio 2016 no ano que vem, entre outros grandes eventos.

Orador perpétuo

Felipe representa a quarta geração de Vivaldo Lima e ouviu falar muito do antigo estádio, por meio das histórias contadas pelos parentes. Já a avó, guarda boas lembranças do início, na década de 1960, da primeira inauguração, além de outros episódios registrados bem antes disso.

“Meu sogro era um homem muito capaz, teve o reconhecimento que merecia. Ele fundou o Fast, foi médico, advogado, professor de física e química, deputado federal, e também é lembrado como orador perpétuo do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas”, disse, orgulhosa, dona Nice.

Roberto Brasil