Aplicativo reúne dados de níveis de rios da Região Norte e condições de navegabilidade

By -
O Sig Sindarma traz os dados diários de cotas de rios que banham os estados do Amapá, Amazonas, Pará e Rondônia

O Sig Sindarma traz os dados diários de cotas de rios que banham os estados do Amapá, Amazonas, Pará e Rondônia

O sistema SigSindarma, que reúne informações das condições de navegabilidade de rios que banham a Região Norte do Brasil, ganhou um aplicativo com versões para dispositivos móveis. Com a nova ferramenta, os usuários poderão ter acesso aos níveis dos rios, velocidade de ventos e previsão do tempo em trechos de quatro estados.

O SigSindarma é um sistema pioneiro no Brasil, inspirado em um modelo europeu para verificar as condições de navegabilidade dos rios. O sistema foi criado no início de 2015 no Amazonas pelo Instituto de Pesquisa em Transportes (Intra) em parceria com o Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial no Estado do Amazonas (Sindarma).
 
O SigSindarma foi desenvolvido para oferecer aos navegadores um conjunto de dados das condições de navegabilidade dos rios localizados na Região Norte país. É um sistema que conta com informações pluviométricas (chuvas) e fluviométricas (níveis dos rios), além das condições do clima e velocidade dos ventos. A plataforma é diariamente atualizada.

Atualmente, o SigSindarma conta com uma plataforma para computadores na internet (www.sigsindarma.intra.org.br/publica). Agora o sistema ganhou versão para aparelhos móveis por meio de aplicativo. A nova ferramenta está disponível para downloads gratuitos nas lojas virtuais: Play Store, Apple Store e Google Play. O App é para tablets, smartphones e celulares com sistemas operacionais Android ou iOS.
 
app-sigsindarma-1O Sig Sindarma traz os dados diários de cotas de rios que banham os estados do Amapá, Amazonas, Pará e Rondônia. Dentre eles, os rios Amazonas, Madeira, Negro e Solimões. As informações sobre os níveis das águas dos rios são coletadas em bases públicas de dados da Agência Nacional de Águas (Ana).

Os pontos de medição ficam situados no Amazonas – Barcelos, Beruri, Boca do Acre, Fazenda Vista Alegre, Fonte Boa, Humaitá, Itacoatiara, Manaus, Tabatinga e Tefé. Além de Macapá (AP), Santarém (PA) e Porto Velho (RO).

O José Teixeira, especialista em transporte hidroviário interior do Intra e um dos idealizadores do projeto, disse que o sistema surgiu para suprir a escassez de informações para o setor de navegação fluvial.

“O SigSindarma surgiu de uma necessidade dos armadores locais de identificar as condições de navegabilidade dos rios, visto que a região tem rios que não são totalmente sinalizados e balizados como deveriam ser para garantir a navegação plena o ano inteiro. Em alguns períodos do ano, principalmente na seca, as embarcações encontram restrições operacionais como pedras e bancos de areia, que colocam em risco a navegação e impactando o tempo de viagem e os volumes transportados de cargas”, explicou.

A base de dados beneficia embarcações de pequeno, médio e grande portes. As empresas usam as informações das condições pluviométricas e fluviométricas para orientar as operações de suas embarcações.

“Com as gerações dessas informações, a partir do SigSindarma, os usuários poderão identificar as condições atuais nos trechos onde as viagens serão realizadas, bem como verificar as condições futuras. Os armadores poderão escolher as embarcações mais adequadas para navegar naquele período. Isso pode gerar resultados significativos na questão econômica, diminuindo os custos com o consumo de combustíveis. O Sindarma entende que essa informação é de utilidade pública e por isso disponibilizou para população”, destacou o pesquisador. 

Roberto Brasil