Aplicativo promete economia de 90% em ligações interurbanas

By -

RINGOUm novo app promete deixar as operadoras de telefonia no Brasil de cabelo em pé. Se recentemente os ataques ao WhatsApp já estavam se intensificando, agora elas podem ter um novo alvo. E seu nome é Ringo.

O app foi criado por uma empresa indiana. O serviço promete derrubar as taxas de telefonia – ele serve principalmente para ligações de longa distância, dentro do território nacional ou fora.

O Ringo não precisa de internet para que a ligação seja possível, isso diferencia o serviço de outros existentes, como o Skype. Outro ponto positivo é quem somente quem faz a ligação precisa do aplicativo instalado.

São duas as opções de funcionamento. A principal é de callback. Telefones localizados em outras cidades (ou outros países) ganham um equivalente local. Com isso, o usuário precisa apenas realizar uma ligação local.

O Ringo faz, então, a conexão com o telefone final. Os servidores da empresa estão todos localizados nos Estados Unidos – e são esses servidores que fazem a conexão entre os dois telefones.

Com isso, o usuário paga apenas o custo de uma ligação local, além de alguns poucos centavos ao serviço. Vale dizer que usuários de pós-pago que tenham um plano local ilimitado ainda são isentos do valor da ligação local.

Bhavin Turakhia, CEO e fundador do Ringo, falou sobre a chegada do serviço ao Brasil e ressaltou que os custos de ligações usando o Ringo são inferiores ao que uma operadora tradicional cobraria.

Uma ligação usando o Ringo para um telefone móvel ou fixo nos Estados Unidos sairia por dez centavos o minuto, de acordo com a empresa. O valor seria inferior aos cobrados por operadoras de telefonia celular. De acordo com a Ringo, a economia pode chegar aos 90%.

O app tem versão para Android, iPhone e Windows Phone. Ele está disponível para o público brasileiro a partir desta terça-feira. Cada novo usuário ganha dois reais de crédito para testar o serviço.

Turakhia foi informado sobre a briga atual das operadoras brasileiras com o WhatsApp, que foi até chamado de operadora pirata, pelo presidente da Vivo. Perguntado sobre o que ele achava de o Ringo poder passar pela mesma situação, respondeu: “Se vamos ser alvo de ataques das operadoras, só saberemos depois do lançamento. De qualquer maneira, o Ringo opera completamente dentro da legalidade”, disse ele. “O modelo do nosso serviço, acredito, pode impactar bastante o mercado.” EXAME.COM

Roberto Brasil