Amazonense tem morte cerebral e família não tem como remover corpo para Manaus

By -
Uma família amazonense vive um drama amargo e que só pode ser resolvido com a solidariedade da população, conforme relatado por fiéis leitores do BLOGdaFLORESTA e apurado por nossa equipe de repórteres. A estudante amazonense V.G.S, de 26, tinha ido ao Rio de Janeiro, tentar a vida na grande metrópole e no Sudeste Maravilha, como tantos e tantos brasileiros. Mas tropeçou na grande adversidade de uma doença traiçoeira e que tirou sua vitalidade e energia.  V. está há duas semanas no hospital Azevedo Lima, em Niterói (RJ) e nas últimas horas evoluiu para morte cerebral. Os médicos entraram em contato com os fmiliares da paciente em Manaus, que é muito humilde e mora na Zona Norte da cidade, e sugeriram desligar os aparelhos para evitar mais sofrimento de V. O problema é a remoção do corpo da amazonense, já que a família vive em grandes dificuldades. É justo que uma família tenha o direito de enterrar um ente querido e zelar por sua memória e sepultura. Portanto, quem quiser contribuir com esse gesto humanitário ligar para a prima de V., Marcilene 9359-0172.
 
 
 

 

Redação