Aliados querem que Temer deixe articulação

By -
O vice-presidente é também coordenador político do governo, Michel Temer

O vice-presidente é também coordenador político do governo, Michel Temer

Integrantes do grupo político do vice-presidente Michel Temer no PMDB passaram a pressioná-lo para deixar a articulação política do governo Dilma Rousseff.

A saída de Temer do posto já havia sido pregada pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que lidera sua própria ala na sigla. Agora, no entanto, a mudança de posição passou a ser defendida pelos principais interlocutores de Temer.

“Nós dissemos a ele que o papel que lhe deram na articulação política termina por apequenar a sua história. O colocam como responsável por negociar cargos e não é essa a contribuição que ele deve dar”, avalia o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA). “O vice-presidente não tem que ficar debatendo sobre as vagas na Docas do Pará, entende?”

Segundo pessoas próximas a Temer, a ala de entusiastas da sua saída do posto de articulador político do governo conta ainda com o ministro da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha, e o ex-ministro Moreira Franco.

Esse grupo esteve reunido com Temer na noite da última segunda-feira (6), no Palácio do Jaburu, em Brasília.

As conversas foram até a madrugada. Esses interlocutores avaliam que Temer deveria assumir um papel “de estadista”, articulando uma saída para a crise com setores que hoje estão em conflito com o governo Dilma.

Aliados do vice-presidente têm buscado diálogo com líderes da oposição e de grupos que estão divorciados da petista, como o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). O próprio Temer tem conversado discretamente com nomes como o senador José Serra (PSDB-SP).

Ele também enviou sinais de que gostaria de marcar uma reunião com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB). Os dois nomes têm externado uma postura mais amena no tucanato em relação a um desfecho para a crise que atinge a presidente Dilma.

A oposição aposta em duas frentes para ter base jurídica para formular um pedido de afastamento: uma condenação no TCU (Tribunal de Contas da União) pelas chamadas pedaladas fiscais, ou uma condenação no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) por abuso de poder político e econômico nas eleições de 2014.

No primeiro caso, apenas a presidente ficaria vulnerável ao impeachment. Uma condenação eleitoral, no entanto, poderia contaminar toda a chapa da disputa presidencial, o que implicaria o risco de afastamento de Dilma e Temer, seu vice.

A ala paulista do PSDB tem dito que a queda de todo o governo ampliaria o clima de instabilidade no país, o que vem sendo interpretado como um sinal de que teria preferência pela saída menos “traumática”: a manutenção de Temer no poder até 2018.

Auxiliares diretos do vice-presidente, no entanto, dizem que ele não vai influenciar essas conversas e que agora está preocupado em cumprir seu papel institucional de auxiliar o governo e o país a atravessarem a crise.

“O Temer chegou aonde chegou sendo cauteloso e moderado. Até porque sabe que, num movimento em falso, pode se tornar alvo dos dois lados [PT e PSDB]”, avaliou um colaborador do vice. FOLHAPRESS

Roberto Brasil