Aiatolá que prega a destruição de Israel já está no Brasil

By -

O radical xiita Mohsen Araki está no Brasil (Reprodução/Facebook)

O aiatolá iraquiano Mohsen Araki já está em São Paulo. Uma das estrelas maiores da corrente xiita do Islã, o religioso veio ao Brasil para proferir uma palestra em um evento que pretende tratar do tema do terrorismo islâmico. Araki é um notório defensor da aniquilação do Estado de Israel que, segundo ele “é um tumor que precisar ser extirpado do Oriente Médio”.

Chegada de Mohsen Araki no Aeroporto de Guarulhos

Desde que VEJA revelou a visita de Araki ao Brasil, uma série de autoridades e organizações manifestaram-se contrárias à visita do líder extremista. Os anfitriões de Araki, do Centro Islâmico Arresala passaram a difundir a mentira de que Araki não viria mais ao Brasil, como forma de afastar a imprensa e protestos contra a sua visita. As fotografias acima desmentem a organização patrocinada pelo Irã no Brasil. As imagens mostram mostram Araki desembarcando no Aeroporto Internacional de Guarulhos. Uma das pessoas que acompanham Araki é chefe da Arresala, o sheik Taleb Khazraji (de camisa bege e gorro).

O iraquiano Taleb Khazraji é outra figurinha carimbada na rede do Hezbollah na América Latina. Khazraji foi citado dos relatórios produzidos pelos investigadores do atentado contra a sede da Associação Mutual Israelita (AMIA), como sendo um dos interlocutores dos terroristas que explodiram a entidade em julho de 1994.

Amigo pessoal e com influência sobre o secretário-geral do Hezbollah, Hassan Nasrallah, o aiatolá Araki prega que os Estados Unidos e os judeus são os responsáveis pelos problemas econômicos dos países islâmicos e das divisões existentes entre as várias correntes da religião islâmica. Em uma visita aoLíbano, ele sugeriu aos líderes do Hamas, o grupo terrorista que controla a Faixa de Gaza, uma união estratégica entre todos as organizações terroristas que atuam no Líbano e Palestina como forma de “banir Israel do mapa”, conforme publicado pela imprensa oficial iraniana.

VEJA

Roberto Brasil