Acordo entre Confederação dos Pescadores e Conab visa reduzir desperdício de peixes

By -

“Existem Estados, como o Amazonas, onde o desperdício chega a 20% ao ano”, alertou Walzenir Falcão

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e a Confederação Nacional dos Pescadores (CNPA) assinaram acordo de cooperação para reduzir o desperdício de pescado em todo País.

Segundo a CNPA, até 20% da produção pesqueira do Brasil vai parar no lixo devido a falta de políticas públicas que facilitem a distribuição e comercialização do excedente do pescado.

Com a parceria entre Conab e CNPA, todo pescado não vendido pelos pescadores será encaminhado às superintendências estaduais da Conab, que enviarão o alimento ao Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).

O programa é coordenado pelo Governo Federal e tem como objetivo distribuir alimentos gratuitamente para instituições de assistência social, restaurantes populares, cozinhas comunitárias e famílias carentes de todo País.

O acordo de cooperação foi assinado nesta quarta-feira (1º), em Brasília, entre o presidente da CNPA, Walzenir Falcão, e o presidente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Francisco Rodrigues Bezerra. O ato também teve a presença da diretora de Políticas Agrícolas e Informações do Ministério da Agricultura, Cleide Laia, e do deputado federal Silas Câmara.

Walzenir Falcão disse que o desperdício de peixes é uma realidade em todo Brasil. “Infelizmente, a média de 20% da produção pesqueira no Brasil vai parar no lixo. Existem Estados, como o Amazonas, onde o desperdício chega a 20% ao ano”, alertou Falcão.

O presidente da Conab disse que o acordo com a CNPA vai beneficiar pescadores e a produção pesqueira em todo Brasil. “Os peixes que não são vendidos pelos pescadores serão encaminhados à Conab, que irá encaminhá-los ao Programa de Aquisição de Alimentos”, explicou Francisco Rodrigues.

O acordo entra em vigor ainda no primeiro semestre deste ano, após a CNPA realizar treinamento junto aos pescadores para garantir a qualidade de manuseio e conservação do pescado.

Roberto Brasil