Ações em comunidades rurais alertam a população sobre doenças

By -

disa-rural-01A Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), intensificou as ações de educação em saúde nas comunidades rurais durante o período que antecede o Carnaval. As ações visam prevenir a população quanto a ocorrência de Doenças Sexualmente Transmissíveis/Aids (DSTs/Aids), malária e dengue, principalmente nos balneários e locais de retiros religiosos.

A atividade é realizada todos os anos e tem mostrado resultados positivos, como a redução de 21% dos casos de malária registrados pelo Distrito de Saúde Rural (Disa Rural) no ano passado, em comparação com o número de casos de 2013.

disa-rural-02Para encerrar o trabalho pré-carnaval de Educação em Saúde, o Disa Rural promoveu na última sexta-feira (13), uma mobilização na comunidade Nossa Senhora do Livramento, na margem esquerda do rio Negro, com a apresentação do bloco de Carnaval “Foliões da Saúde Rural”, onde houve a distribuição de preservativos, de folders informativos e oferta de testes rápidos para a detecção de HIV. Foi realizado ainda um concurso para premiar a melhor marcha de Carnaval, a melhor fantasia e o folião mais animado.

A chefe da Divisão de Vigilância em Saúde do Disa Rural, Christiane Mendonça, explicou que os profissionais de saúde também realizam o monitoramento dos balneários e retiros com orientações aos proprietários sobre as ações de prevenção, a importância da colocação das telas de proteção e do uso de  mosquiteiros. “A maior preocupação na área rural, fluvial e terrestre, ainda é com a transmissão da malária, já que, no monitoramento que realizamos, há pouco registro do agente transmissor da dengue”, ressalta Christiane Mendonça.

disa-rural-03Segundo o secretário municipal de Saúde, Homero de Miranda Leão Neto, o trabalho de Educação em Saúde é permanente, dentro da rotina de trabalho dos profissionais que atuam nas Unidades de Saúde da área rural, e realizado em todas as comunidades.

Para a dona de casa Vani Silva de Almeida, moradora da comunidade Nossa Senhora do Livramento, a ação tem colaborado na redução das doenças com a divulgação de informações e de conscientização de todos os moradores. “Moro há 35 anos nessa comunidade e conheço pessoas que tiveram malária 12 vezes, mas hoje em dia isso é um problema que acontece mais com quem não toma os cuidados necessários, como tomar banho de igarapé no horário em que o mosquito costuma transmitir a doença”, destaca a moradora.

Roberto Brasil