Abdala Fraxe vai pedir abertura de CPI para investigar irregularidades nas administrações anteriores de Coari

By -
Dep. Abdala Fraxee

Dep. Abdala Fraxee

Em pronunciamento, na manhã de ontem (13), o deputado estadual Abdala Fraxe (PTN), secretário-geral da mesa diretora da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), informou que, nesta quinta-feira (14), dará entrada a um requerimento pedindo a abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), para investigar possíveis irregularidades administrativas e financeiras, cometidas nos últimos meses em que o município de Coari passou três vezes pela troca de prefeitos.

De acordo com o deputado, há informações de que, nos últimos quatro meses, foram feitos saques das contas da prefeitura pelas administrações anteriores, o que ele considerou “diabólico”, uma vez que isso contribui para o sofrimento da população coariense. “Queremos investigar, por exemplo, a contratação de uma empresa de terraplanagem e asfaltamento por R$ 1,5 milhão, cerca de uma semana antes do afastamento do ex-prefeito Iran Medeiros. Essa empresa não colocou um metro quadrado de asfalto na cidade”, alertou.

Fraxe destacou que, até agora, o atual prefeito de Coari, Raimundo Magalhães, não tem medido esforços, mas ainda conseguiu promover melhorias na cidade, devido aos problemas deixados pelas administrações anteriores. “Computadores totalmente desativados, sem memórias, as secretarias sem documentação alguma, nem para saber quantos funcionários públicos existem naquele município, fornecedores na porta prefeitura todos os dias querendo receber por serviços realizados anteriormente, muitas vezes sem qualquer documentação, gerando um verdadeiro caos administrativo”, ressaltou.

Para o parlamentar, é grande a capacidade do prefeito Magalhães de contornar a situação do município. No entanto, segundo ele, o que causou estranheza foi a instalação, na semana passada, pela Câmara Municipal de Coari de uma CPI, para investigar a atual administração. Ontem, essa comissão já ouviu um empresário, que alegou ter recebido uma proposta do atual prefeito a respeito de uma troca de dinheiro por secretarias, o que, conforme Fraxe, não ocorreu.

“O prefeito Magalhães entregou o seu aparelho de telefone à Secretaria de Segurança Pública para que fossem desvendadas todas as mensagens e ligações, não foi encontrado absolutamente nada. Mas, o que nos causa mais estranheza ainda é que o mesmo empresário havia sido nomeado subsecretário de obras do ex-prefeito, no período de 20 dias em que esteve à frente do município. Essa é uma prova cabal de que essa turma quer atrapalhar a administração atual, no sentido de prolongar o sofrimento da população. E não podemos concordar com isso”, enfatizou, ao frisar a necessidade de instalação por parte da Aleam da CPI.

Mario Dantas