A Malária continua sendo o principal problema de saúde do Amazonas

By -

melo-controle-malaria-bdf-01Da Redação – Nesta quinta-feira (04), o governador José Melo apresentou o Plano de Intensificação das Ações de Controle da Malária para 2016, doença que continua sendo o principal problema de saúde do Amazonas. Participaram o deputado federal Silas Camará, Secretários de Saúde, o diretor da Fundação de Vigilância em Saúde, gestores e Prefeitos dos 12 municípios do interior.

Os municípios convocados (Manaus, Atalaia do Norte, Barcelos, Eirunepé, Coari, Lábrea, Ipixuna, São Gabriel da Cachoeira, São Paulo de Olivença, Santo Antônio do Iça, Tabatinga e Tefé) registraram no ano passado (2015), 70% dos casos de malária no estado.

“O Plano tem como meta reduzir em 20% a incidência da malária nos municípios indicados e naqueles em que há ocorrência de transmissão urbana da infecção, a meta é reduzir em 50%“, salientou o Secretario de Saúde, Pedro Elias. Explicou desta forma o reforço das ações contra a malária que o principal problema de saúde do Amazonas, a epidemia estacional são os outros vírus (zica, dengue e chikungunha).

“O trabalho de combate ao surto tríplice já esta em andamento por conta do Comitê Interinstitucional, mas a malária é o foco, pois esta doença vem matando a traves de todos os tempos e segundo alguns o mundo já perdeu a guerra contra a malária, mas aqui no Amazonas vamos fazer nossa parte para continuar este combate”, salientou Pedro Elias. Outro problema apontado é a execução das politicas publicas em saúde, pois alguns fatos isolados aparecem na mídia, mas estamos conscientes dos avanços aqui na região norte em saúde e da nossa responsabilidade em resolver temas como o controle da malária que é o principal problema de saúde disse o secretário.

melo-controle-malaria-bdf-02“Malária é uma doença que conhecemos e combatemos há décadas, e necessário fazer uma ação eficiente e integrada e o papel dos gestores dos municípios é fundamental, mesmo porque malária não se acaba matando o mosquito, o diagnostico, tratamento também é importante”, disse o representante da Fundação de Vigilância em Saúde, Bernaardino Alburquerque.

O deputado federal, Silas Camará destacou o esforço de todos os profissionais em saúde e a resposta e atenção oportuna por parte do Governador do Estado do Amazonas e saber lidar com a crise econômica e de saúde pela que atravessa o Brasil.

Quebrando paradigmas na saúde pública do Amazonas 

“A saúde publica do Amazonas precisa quebrar paradigmas e neste sentido iremos trabalhar fiscalizando a toda hora a atenção para a população, seremos corujas à noite e verificaremos os plantões dos médicos e outros professionais para saber como estamos trabalhando, sei que ire pagar o preço de fazer isto, mas honrarei com meu compromisso com a população” disse o Governador do Estado, José Melo. Explicou ainda que está focado em resolver problemas na saúde e continuar trabalhando para ser referencia na região norte, atendendo com recursos especialmente aqueles municípios distantes, de difícil acesso fluvial e com muitas necessidades, mesmo com o modelo econômico atual que não ajuda para melhorar a situação de alguns municípios se continua procurando as soluções”.

“Estamos destinando 4 milhões e 200 mil reais para que os municípios contem com a estrutura suficiente para combater a malária, alguns distantes como São Gabriel da Cachoeira é grande e onde estão comunidades indígenas onde o pessoal de saúde precisam em alguns casos de autorização da Funai para ingressar”, informou o Governador Jose Melo.

melo-controle-malaria-bdf-03Informou ainda que após o carnaval deve anunciar o plano de educação para continuar o trabalho na prevenção de doenças nas escolas, na limpeza nas casas para o combate a criadouros de mosquitos entre outras recomendações.

Também informou que o Pronto Especialista devera ser implementado nos próximos meses convocando a médicos especialistas não importando o idioma que falem, mas a função que irão desempenhar nos interiores, assim nos cinco polos e iniciando no município de Eirunepé devera absorver 70% das demandas atendidas por estes profissionais.

Entre 2014 e 2015 houve um aumento de 9,4% nos casos de malária no Amazonas. Durante 2015 foram 73.744 casos contra 66.788 registrados em 2014. Os recursos destinados no combate à malária (R$ 4,2 milhões) devem ser aplicados em equipamentos (carros, barcos e motocicletas), combustível, material, insumos (mosquiteiros e de laboratório) entre outros. /// (Texto e Fotos: Mercedes Guzmán)

Roberto Brasil